EDUCADORES

 

JEAN PIAGET 

Por Karina Pagnez

 

Jean Piaget nasceu em 9 de agosto de 1896 na cidade Neuchâtel, na Suíça. Foi uma criança estudiosa e precoce, como se pode notar com a  produção, aos 11 anos de idade, daquele que foi considerado o texto que deu início à sua produção científica: o artigo sobre um pardal albino. Formou-se em Biologia e doutorou-se em Ciências Naturais. Posteriormente, dedicou-se ao estudo da Psicologia. Formulou uma teoria na qual o desenvolvimento infantil é compreendido como processo constituído na sucessão de períodos. Seus estudos, a  respeito desse assunto, tiveram início com a observação do desenvolvimento de suas três filhas. Autor de diversos livros e artigos científicos, professor de respeitadas universidades da Europa e fundador do Laboratório de Psicologia Genética em Genebra, no qual trabalhou até a sua morte em 16 de setembro de 1980, recebeu inúmeros prêmios na Europa e no mundo inteiro.

 


 

O mérito do trabalho de Piaget para a Educação foi renovar completamente a concepção da estrutura e do pensamento infantil diferenciando-o do pensamento do adulto. Piaget não propôs um método de ensino; ele formulou uma teoria do desenvolvimento cognitivo da criança, que tem sido utilizada por psicólogos e pedagogos em sua atuação profissional.

            Para a Epistemologia Genética, o indivíduo passa por várias etapas de desenvolvimento ao longo da sua vida, a aprendizagem é, então, um processo que começa no nascimento e acaba com a morte do indivíduo.

O conhecimento é estruturado a partir da interação entre o sujeito e o meio, na ação exercida pela criança sobre os objetos. Desse processo, resulta  a construção das estruturas cognitivas. Os períodos do desenvolvimento infantil são: sensório-motor; pré-operacional, operacional-concreto e operacional formal. Na fase das operações formais, o sujeito é capaz de construir pensamento e conhecimento por meio de abstrações.

A aprendizagem ocorre nos processos de assimilação e de acomodação constituintes da adaptação do sujeito ao meio. Segundo esse esquema, o ser humano assimila os dados que obtém do exterior, mas, uma vez que tem uma estrutura mental que não está "vazia", precisa  adaptar esses dados à estrutura mental já existente.

Para Piaget, o homem é o ser mais adaptável do mundo. Esse esquema revela que nenhum conhecimento nos chega do exterior sem que alterar tudo o que aprendemos.

A influência do trabalho de Piaget na pedagogia é notável ainda hoje, principalmente por meio da obra de Emília Ferreiro sobre a alfabetização. A autora parte da epistemologia genética de Piaget para estruturar a psicogênese da língua escrita.

Piaget teve uma considerável influência no campo da ciência da computação. Seymour Papert usou o trabalho do cientista como fundamentação teórica para o desenvolvimento da linguagem de programação Logo.

A obra de Piaget é difundida no mundo inteiro e continua inspirando, ainda hoje, trabalhos de pesquisa em diferentes áreas do conhecimento: a psicologia, a sociologia, a educação, a epistemologia, a economia e o direito.

 

 

Karina Pagnez - Doutora em Educação: Psicologia da Educação pela PUC/SP

 
  Site Map